Translate

Google+ Badge

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Concepção pedagógica tradicional

Olá pessoal...


Conversando com algumas colegas de trabalho percebi o quanto algumas pessoas tem dúvidas relacionadas às metodologias de ensino. Acreditam que algo dá certo, porém não executam na prática, pois o sistema e a concepção da escola não aceitam a proposta estabelecida pelo professor, a falta de recurso e apoio da gestão também acaba acarretando um descontentamento ao tentar trabalhar da forma que acreditamos. Enfim, pensando nisso resolvi fazer um post para cada metodologia, explicando cada uma e assim iremos perceber qual melhor se encaixa aos nossos métodos de ensino. Iremos iniciar pelo “convencional”, a metodologia tradicional, leia o post para entender melhor.

Linha tradicional/ Concepção pedagógica tradicional/ método de ensino tradicional

Vamos viajar ao passado e entender um pouco da historia, pois foi no século XVIII no período do iluminismo que a educação foi fortemente incentivada. A partir daí que o homem aprende a utilizar seus potenciais e, como consequência disso, o mundo passou a evoluir e se desenvolver. É importante destacar o surgimento da Enciclopédia cuja intenção era a de facilitar que o conhecimento, reflexivo e técnico, se espalhasse o máximo possível, pois era segundo os iluministas, o único meio de se alcançar o progresso.
  
No Brasil, a pedagogia tradicional teve seu inicio no século XIX, passou com grande força para o século XX e ainda perduram raízes dela pelo século XXI. Reconhecida como tendência liberal, chegou como pioneira e sem muitas mudanças.

O papel da escola tradicional é fazer com que o aluno cresça pelo próprio mérito a partir do conhecimento repassado pelo professor, de forma extremamente mecânica, fria e crua, onde as particularidades não são respeitadas, todos devem aprender da mesma forma e o professor é o dono do saber e do conhecimento, tendo como característica a posição de  único sujeito ativo e o aluno como sujeito passivo, onde  deveria apenas receber o conhecimento e por si só desenvolver suas características sociais, políticas e humanas em geral de uma forma que os menos capazes ficariam para trás nessa escala de desenvolvimento.

Essa visão é ultrapassada, porém ainda perpetua até os dia de hoje. Onde a escola oferece o ensino, colocando o professor como o ser sábio e os alunos são apenas um agente receptor de conhecimento.

A pedagogia tradicional é marcada por um ensino baseado em verdades impostas, os conteúdos repassados eram basicamente os valores sociais acumulados com o passar dos tempos com o intuito de prepará-los para a vida, e esses conteúdos são determinados pela sociedade e ordenados na legislação independente da experiência do aluno e das realidades sociais, fazendo com que a pedagogia tradicional seja vista como enciclopedista.

As escolas que adotam a linha tradicional acreditam que a formação de um aluno crítico e criativo depende justamente da bagagem de informação adquirida e do domínio dos conhecimentos consolidados.
Não há lugar para o aluno atuar, agir ou reagir de forma individual. Não existem atividades práticas que permitem aos alunos inquirir, criar e construir. Geralmente, as aulas são expositivas, com muita teoria e exercícios sistematizados para a memorização.

Características da concepção pedagógica tradicional

O papel da escola é o de promover uma formação puramente moral e intelectual, lapidando o aluno para a convivência social, tendo como pressuposto a conservação da sociedade em seu estado atual.

Os conteúdos de ensino são aqueles vivenciados ao longo do tempo e são passados como verdades absolutas, sem chance de questionamentos ou levantamentos de dúvidas. Nessa concepção não está presente à consideração sobre os conhecimentos prévios do aluno, apenas o que está no currículo é transmitido.

A Metodologia de ensino é a exposição verbal por parte do professor e a preparação do aluno. O foco principal é exercícios e na memorização de fórmulas e conceitos. Desta forma, o professor apresenta o conteúdo, relacionando com outros assuntos, onde generaliza e aplica os exercícios.

A relação professor-aluno é marcada pelo autoritarismo. Somente o professor possui conhecimento para ensinar, o papel do aluno é o de receber o conhecimento transmitido pelo professor. O silêncio em sala de aula é imposto pela autoridade docente.

A avaliação é realizada predominantemente visando a exatidão da reprodução do conteúdo comunicado em sala de aula. Pode ser feita através de chamadas, exames, provas orais, exercícios, etc.

Ao falarmos as principais características da concepção tradicional percebemos que ela se encontra cada vez mais presente nas práticas pedagógicas atuais, isso mostra que não estamos evoluindo. Apesar de hoje em dia se pregar a importância de evidenciar o conhecimento prévio do aluno, pouco se ver o aproveitamento dessa investigação e principalmente a sua relação com os conteúdos curriculares.


Vemos com frequência as metodologias tradicionais de ensino sendo utilizadas pelos professores da atualidade, como: exposição verbal, foco nos exercícios, na repetição e na memorização.  No caso da relação professor-aluno, na maioria das escolas, o predomínio da autoridade do professor, com a imposição do silêncio. A avaliação está totalmente ligada à concepção tradicional, dando-se por meio de tarefas para casa e pela prova escrita. Não será fácil nos desligarmos desta concepção, porém devemos estudar e avaliar o que podemos levar para nossa prática e pensar nas necessidades dos nossos alunos.

Espero que tenham gostado 😉
Beijinhos 😗

Nenhum comentário:

Postar um comentário